Índia fornece até aula de reforço pela internet

 Matéria Publicada na Revista Exame: http://info.abril.com.br/aberto/infonews/092006/28092006-13.shl

 BOSTON (Reuters) – Professores particulares são um luxo que muitas famílias norte-americanas não têm condições de bancar devido aos preços entre 25 e 100 dólares por hora. Mas Denise Robinson, uma mãe da Califórnia, encontrou um professor online que cobra 2,50 dólares por hora. Detalhe: ele está na Índia.

 

 “Isso fez grande diferença. Minha filha está obtendo literalmente as melhores notas em todas as matérias, e nunca havia conseguido isso antes”, disse Robinson, que é mãe solteira e vive na cidade de Modesto. 

 

Taylor, 13, filha de Robinson, é uma das 1,1 mil crianças norte-americanas matriculadas na TutorVista, uma empresa de Bangalore que começou a atuar nos Estados Unidos em novembro e conta com uma equipe de 150 “professores particulares eletrônicos”, quase todos radicados na Índia. O serviço tem uma taxa mensal de 100 dólares oferece acesso ilimitado aos professores. 

 

Taylor faz duas horas diárias de aula de matemática e inglês, cinco dias por semana, a um custo médio de 2,50 dólares por hora, ante os 40 dólares cobrados pelos serviços online norte-americanos de aulas particulares –como o Tutor.com, líder de mercado–, ou o preço habitual de 100 dólares por hora em caso de aulas particulares com um professor presente. 

“Gosto de dizer às pessoas que as aulas particulares de minha filha custam o mesmo que uma refeição de fast food ou café no Starbuck’s”, afirmou Robinson. 

 

A tendência da terceirização alimentou um boom em serviços asiáticos de atendimento telefônico a consumidores, cujos funcionários bem-educados e de salários modestos atendem telefones 24 horas por dia para servir aos clientes de bancos e outras empresas norte-americanas. Agora, o setor começa a atuar no segmento que ocupa posição central na cultura norte-americana: a educação. 

 

O momento é difícil para o setor de educação nos Estados Unidos: apenas dois terços dos adolescentes vêm se formando nas escolas de segundo grau, proporção que se reduz a 50 por centro entre os negros e hispânicos, de acordo com estatísticas governamentais. 

 

China e Índia, enquanto isso, vêm produzindo o maior número de formandos em ciências e engenharia –pelo menos cinco vezes mais que os EUA, onde essas categorias de formandos estão em queda desde o começo dos anos 1980. 

 

Pais que usam escolas como a de Taylor dizem que fazem o que podem para dar vantagens aos seus filhos, para que obtenham melhores notas, acesso a melhores universidades e um futuro melhor, mesmo que as aulas sejam dadas por alguém com sotaque indiano a 15 mil quilômetros de distância.

 

 

One Response to Índia fornece até aula de reforço pela internet

  1. Mr WordPress says:

    Hi, this is a comment.
    To delete a comment, just log in, and view the posts’ comments, there you will have the option to edit or delete them.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: